Cobrança

Leia em 6 minutos

Formas de cobrança: como escolher? As formas de cobrança são parte essencial do processo de vendas. Utilizá-las da maneira correta pode diminuir a inadimplência e reduzir custos. Saiba mais!

Por Francesca Rodrigues

Receber por uma venda é uma das etapas do processo de vendas. Se não a melhor, certo? 😜

Muitas empresas oferecem diversas formas de pagamentos, mas sequer pensam se essa é uma ação sustentável.

O contrário também é verdade: muitas empresas não oferecem nenhuma flexibilidade para os clientes na hora do pagamento.

Ambas as situações são prejudiciais, pois as formas de cobrança são partes fundamentais para o sucesso financeiro da sua empresa.

As formas mais comuns de cobrança são: boleto bancário, cartão de crédito e de débito, cheque, crediário e dinheiro.

Quer saber as vantagens e desvantagens de cada uma? Continue lendo nosso artigo.

Boleto bancário

O boleto bancário é uma ferramenta de cobrança muito utilizada por quem procura taxas menores do que o cartão.

O boleto permite que seus consumidores façam compras sem ter vínculo com bancos ou cartões de crédito.

Porém, fazer o cadastramento para emitir boletos na rede bancária e a própria emissão pode ser um processo burocrático e demorado.

As taxas também podem ser maiores para quem emite poucos boletos por mês, tornando essa opção inviável.

As taxas que os bancos, em regra geral, cobram são para: emissão, alteração de dados, pagamento em atraso e até mesmo cancelamento.

Imagine que você emitiu um boleto para um cliente e esse fez uma transferência para a sua conta, para cancelar esse débito, a maioria dos bancos também cobram taxas.

Por isso, muitas empresas têm adotado soluções alternativas, como o Fácil123, que permite a emissão de boletos sem burocracia e sem complicação, além de ter uma taxa única na liquidação do boleto. 😱

A compensação do boleto emitido pela rede bancária demora, em regra geral, dois dias. Assim como no Fácil123. Isso significa que em dois dias o valor pago no boleto entrará na sua conta corrente.

Do nosso ponto de vista, o boleto bancário é uma das melhores formas de cobrança, pois permite que você acompanhe e reduza, através da régua de cobrança, a inadimplência e reduza os seus custos, com taxas menores que as do cartão.

Cartão de crédito e débito

O cartão de crédito e débito é uma das formas de pagamento mais utilizada pelo mundo.

Para a empresa é ótimo, você sabe na hora se a transação foi autorizada ou não e recebe conforme o plano que fizer com a operadora. No entanto, as taxas do cartão normalmente são altas.

Diferente do boleto bancário, no qual a taxa cobrada é fixa, no cartão a taxa normalmente é um percentual do valor da sua venda.

Essas taxas variam conforme o valor das receitas, o tipo de pagamento, a operadora e o prazo de recebimento, se você adianta as parcelas ou escolhe receber antes, por exemplo. Além disso, você precisa comprar ou alugar uma máquina de cartão de crédito.

O cartão de crédito permite que você não tenha inadimplência, pois ao ser aprovada a transação, o recebimento é garantido pela operadora do cartão mesmo que o cliente não pague a fatura.

Vale lembrar que a empresa demora de dois até trinta dias para receber por esses valores, de acordo com o contrato com a operadora.

Cheque

O cheque vem caindo cada vez mais em desuso. Apesar disso, muitos consumidores e empresas ainda o utilizam como forma de pagamento.

O problema do cheque é que não há uma garantia no recebimento dele e você precisará abrir um protesto caso ele não tenha fundos e queira cobrar por ele.

Caso você opte por esse meio de pagamento, é essencial consultar o cadastro do consumidor no SPC – Serviço de Proteção ao Crédito para evitar a inadimplência.

Crediário

O crediário próprio é outra forma de cobrança, mas é mais utilizada por lojas varejistas.

Essa modalidade permite que a empresa oferte um parcelamento maior e por menores taxas de juros ao consumidor, visto que não precisa se preocupar com o pagamento de taxas para terceiros.

Outra vantagem é possibilitar que os clientes comprem parcelado mesmo se não tiverem cartão de crédito. E ainda por cima, os clientes precisam voltar à loja para pagar a conta, uma ótima forma de vender mais.

Porém, é preciso tomar cuidado. Assim como o cheque, essa forma de cobrança não tem uma garantia que o pagamento será feito.

Por isso, é necessária uma análise séria para que esse meio de pagamento não se torne um problema de inadimplência.

Caso você opte por esse tipo de cobrança não deixe de emitir uma nota promissória. Com esse documento é possível protestar o título caso esse não seja pago.

Dinheiro

Receber por uma venda à vista é um ótimo negócio.

Assim, você conta com dinheiro em caixa, fica com um respiro no ciclo financeiro e tem grandes chances de não comprometer o seu capital de giro.

A única desvantagem dessa forma de cobrança é que você ficará com dinheiro em mãos. Se você efetua pagamentos em dinheiro, pode ser que esse não seja um problema.

Mas, caso você opte em depositar esse valor na sua conta corrente, terá que se deslocar até um banco e fazer um depósito.

O dinheiro traz grandes vantagens: sem taxas de cobrança e sem inadimplência.

Outras alternativas

Além das formas de cobrança que citamos, uma alternativa é o depósito bancário.

Nesse meio de pagamento, você informa ao seu cliente os seus dados bancários e ele faz um depósito ou uma transferência para a sua conta.

Normalmente, os valores caem no outro dia útil e não há taxas para quem recebe o depósito.

Uma outra alternativa é utilizar uma carteira digital, como o PicPay.

O PicPay permite que as empresas recebam pelas suas vendas através de um aplicativo instalado no celular do consumidor.

As taxas variam de 0% a 4,89% de cada pagamento recebido de acordo com o prazo de liberação do saque escolhido.

É possível sacar o dinheiro entre 1 e 80 dias e mesmo que o cliente pague parcelado, o valor será recebido integralmente pela empresa.

É possível conhecer mais detalhadamente o PicPay clicando aqui.

Cuidado!

É importante lembrar que independente das formas de cobrança que você escolher para o seu negócio, a cobrança de um valor de venda diferente devido a forma de pagamento é ilegal de acordo com a Lei 8078/90, art. 39, V, do Código de Defesa do Consumidor.

Isso quer que você não pode cobrar R$ 180,00 por uma venda no boleto bancário e R$ 200,00 se for parcelado no cartão.

O que é possível, é dar um desconto em casos de pagamentos no boleto, por exemplo.

Assim, o valor fica R$ 200,00 e em caso de pagamento no boleto você pode oferecer 10% de desconto.

Os descontos, além de encher os olhos dos clientes, podem favorecer o tipo de cobrança que você preferir. Só tome cuidado para não comprometer o seu lucro com descontos exorbitantes.

E no final das contas, qual a melhor forma de cobrança?

Não existe uma receita precisa quanto às formas de cobrança.

O ideal é que você tenha flexibilidade para atender os mais diversos clientes sem que a sua inadimplência aumente.

Se você tem uma equipe reduzida, a cobrança por boleto bancário pode ser a melhor alternativa.

No Fácil123, por exemplo, todos os processos relativos aos boletos são feitos automaticamente, como o envio de e-mail para os clientes com os boletos, a régua de cobrança, a baixa das contas a receber e o depósito na sua conta.

E na sua empresa? Como são feitas as cobranças? Compartilhe nos comentários!